Monday, May 24, 2010

A Hora do Pesadelo (2010)




Anoiteceu mais cedo e uma chuva típica dos filmes de terror caia, com direito a trovões que iluminavam todo meu quarto, onde eu começa a ver o remake de “A Hora do Pesadelo” (Nigthmare on Elm Street, EUA, 2010).

Cenário perfeito, filme péssimo.

E...

Antes de mais nada eu adoraria falar que esse é o melhor remake dos últimos tempos, que o novo Freddy é realmente melhor que o antigo, - magistralmente interpretado por Robert Englund (Galáxia do Terror) - e também amaria falar que esse filme chega aos pés do original. Infelizmente isso é tecnicamente impossível.

Até fechei um olho e fiz de tudo para tentar esquecer que a película foi produzida por Michael Bay. Isso mesmo, aquele que também produziu (leia-se destruiu) o remake do clássico ‘’O Massacre da Serra Elétrica” (Texas Chainsaw Massacre, EUA, 2003) uma parte da crítica adorou, eu não. Bay ainda produziu bombas como o filme do também novo Jason e ‘’Transformers’’ (Idem, EUA, 2007), além da sequência e o terceiro filme da série que já foi anunciado.

Eca!

A direção ficou por conta de Samuel Bayer, um diretor de video-clipes de bandas como Metallica e Green Day. Dá pra acreditar? Deram na mão de um estreante uma obra tão conceituada. Só pode ser brincadeira!

Apesar de todos os itens citados acima, eu estava com o pensamento positivo, afinal ouvi algumas boas críticas de amigos que já haviam visto o novo visual de Freddy Krueger. Realmente acreditei que o filme poderia dar nova vida a franquia com a saída de Englund e a entrada de Jackie Earle Haley ( o Rorschach de ‘’Watchman’’) no papel do mestre dos pesadelos, seria um novo fôlego, uma tentativa de traduzir Freddy para a uma nova década.

Não culpo Jackie porque com tantos efeitos e tamanha maquiagem o vilão parece mais um alien, ou seja, está totalmente sem expressão. Pronto, os gênios conseguiram acabar com um dos pontos mais carismáticos e que eternizaram para sempre o senhor do pulôver rubro-negro. Mas calma amiguinhos, não foi só isso que o diretor e o produtor conseguiram destruir.

Vem mais por aí...

Passado esse momento em que o fã falou mais alto que o pseudo-crítico, vamos a minha fria análise sobre esse novo pesadelo. Ou Pesadelo seria ver esse filme?

Tudo até que começa bem, com Freddy matando e matando bonito. Não por muito tempo. Logo o espectador entrará em trabalho de tédio, pode acreditar.

Mas vamos a história que é o que interessa.

Jovens da rua Elm em Springwood, começam a morrer um a um em seus sonhos. Eles sonham com Freddy, que até então ninguém sabe quem é. Só descobrimos realmente qual a ligação entre os jovens que vão morrendo ao longo dos longos 90 minutos, depois da metade da projeção, o que mantém um certo suspense. Mas nada demais.

Cabe a mocinha da história Nancy ( a preferida de Freddy) tentar descobrir quem ele é e por que está atrás dos jovens da rua Elm, tudo isso sem dormir. Haja adrenalina e café!

Aí que vem mais uma cagada dos idealizadores dessa ideia desnecessária. Nesse remake Freddy em vida era pedófilo (!!!), já no original ele era “apenas’’ um assassino de criancinhas. Não sei vocês, mas eu sempre torci pro Freddy vencer no final.

E agora? Como poderia torcer para um pedófilo? (hahaha!)

O filme segue e seus protagonistas não tem o menor carisma, a Nancy que no filme original ficou marcada pela interpretação firme de Hethear Langenkamp, nessa nova versão é extremamente chata e sem sal, seu par romântico, antes interpretado por Johnny Deep (em seu primeiro filme, aliás) agora é vivido pelo emo-pop Kyle Gallner outro que abusa no visual e peca em suas atuações. Tipico ídolo teen de revista Capricho.

O roteiro de Wesley Strick (Casa de Vidro e Cabo do Medo) e Eric Heisserer (quem!?) beira o ridículo e foi feito milimetricamente para agradar crianças de 14 anos que não tiveram qualquer ligação com a série até então. A dupla de roteiristas se preocupa demais em contar a história de vida do Freddy, diferente do original, onde Wes Craven se preocupou menos com as origens do mal e mais com clima de suspense e o sarcasmo de Freddy que chupava os dedos e salivava antes de matar suas vítimas. Apesar do orçamento visivelmente baixo do filme de 1984, Englund e Craven criaram um ícone do horror, algo que nem os mesmos esperavam. Diferente dessa bomba que custou muito e agradou pouco. Pelo menos os antigos fãs não agradou em nada, e falo como um.

Difícil comparar os dois, já que esse filme de Bayer não é uma cópia fiel. Eu chamaria de no máximo uma “homenagem meia boca”. Já que os produtores queriam uma nova história porque não explorá-la mais a fundo? Seria algo que o desprenderia do título de “remake” e talvez fosse menos malhado pela crítica. Porém, acredito que em quesito ruindade a nota seria a mesma.
Enfim...



O filme segue e Freddy mantém suas piadinhas sem graças e sua face não humana que parece ter saído de algum filme de ficção aparece pouco, muito pouco. Parece até que o diretor sabia a merda que estava fazendo.

Somos apresentados a várias cenas inexplicáveis como a do namoradinho de Nancy pegando no sono em pleno treino de natação, brincadeira? Tudo é uma grande desculpa para encontrarem com Freddy. Tá, beleza. Afinal ele é o dono do show.

A fotografia é extremamente escura a ponto de deixar o espectador em dúvida quando é sonho ou realidade. O que provoca sono. Seria um plano maligno de Freddy para fazer os espectadores dormirem? Ou o filme teria um fundo metafórico? Não da para dizer o que passou na cabeça dos realizadores desse desrespeitoso remake.

Aliás, dá sim, eles pensaram nas verdinhas, isso sim. O filme feito para a geração que mais consome o horror, a juventude, e não para os verdadeiros fãs desse que foi, na minha opinião, um dos melhores filmes de horror dos anos 80.

A película também peca pela falta de nudez e violência. Saudades dos anos 80. Sei que tem dedo na censura nisso aí, mas está claro, como falei acima, a intenção dos idealizadores de atingirem um público mais jovem.

O novo Freddy não me fez sequer me lembrar do original. A chuva que despencava dos céus em ritmo frenético me assustava mais que ele. O que fizeram com você, Freddy?

Sua face agora, diferente do personagem de Englund, é moldada por efeitos e maquiagem extremos o que tira todo o realismo que o caracterizou. O filme quase não tem violência, até tem, mas é pouco para quem conhece o assassino dos sonhos de outros carnavais.

Quando a trilha sonora ficava mais escabrosa era o sinal que o dono do show ia aparecer, é o bom e velho susto-fácil. E o suspense do original? Cadê? Nem para deixarem um pouquinho.

Apesar de ser criado um clima de suspense até descobrirmos que Freddy era pedófilo (rarara!) e a ligação dos personagens que vão sendo picotados por ele, isso passa em branco se comparado ao clássico de 1984. Dá até vontade de chorar.

Vontade de chorar mesmo é saber que teremos a parte 2, já anunciada para 2012, e comandada pelo mesmo time de ‘gênios’’. Tai um bom motivo para o mundo acabar em 2012.

Termino com um pedido: mesmo que você já tenho visto o filme original, assista-o antes de ver esse remake. Vai sentir a diferença escabrosa e passar a odiar mortalmente Bay e sua corja de caça-niqueis, como eu odeio. Eles são verdadeiros serial-killers, serial-killers de grandes clássicos do cinema fantástico.

Eu gostaria de acordar de um pesadelo e descobrir que esse filme não foi feito.

Alguém ai me belisca?


Léo Castelo Branco

**
Ficha Técnica

Diretor: Samuel Bayer
Elenco: Jackie Earle Haley, Rooney Mara, Kyle Gallner, Katie Cassidy, Thomas Dekker, Kellan Lutz, Clancy Brown, Connie Britton.
Produção: Michael Bay, Andrew Form, Bradley Fuller
Roteiro: Eric Heisserer
Fotografia: Jeff Cutter
Trilha Sonora: Steve Jablonsky
Duração: 95 min.
Ano: 2010
País: EUA
Gênero: Terror
Cor: Colorido
Distribuidora: Warner Bros.
Estúdio: New Line Cinema /
*Platinum Dunes 
Classificação: 16 anos


11 comments:

  1. Das conversas á sua critica, acredito e entendo que você se familiarizou a tal ponto com o Freddy que além de ele ser da "familia"(hehehe) ele é um ídolo. O fato dos produtores do "remake" terem descaracterizado o querido (o que é um crime) desapontou os fãs, que acreditavam que iriam reviver os velhos tempos. Não foi o que aconteceu, está todo mundo "puto" com os caras e eu não estou nem um pouco afim de ver o remake. Deveriam ter pensado que não era apenas um filme e sim uma saga inteira que estava em jogo, agora perdida e descaracterizada pelo dinheiro. Isso sim é aterrorizante.

    ReplyDelete
  2. ahhh.. "-vem pro Freddy"

    ReplyDelete
  3. Não preciso dizer que sou contra algumas de suas críticas, né...
    A Hora do Pesadelo, com o passar dos anos, ganhou um ar cômico que fez das sequências belas porcarias... Englund realmente brilhava interpretando o vilão e realmente disso eu senti falta. Concordo com a maquiagem que o deixou com aspecto alienígena; mas, condenar o enredo do filme, as cenas e até dizer que é um tédio, acho radical demais!
    1. O Freddy de 1980 era um maníaco que matava sem motivo. Somente o fato de ter sido fruto de um estupro é capaz de torná-lo um monstro? Acho muito vazia essa justificativa. A pedofilia seguida de mortes sim, é motivo suficiente para que ele fosse perseguido e assassinado pelos pais furiosos, e consequentemente voltasse para sua vingança. Ponto pro remake.
    2. Não acho que o remake tenha se preocupado em contar a história de Freddy. Pelo contrário: não há pausas longas entre uma morte o outra, o que NÃO deixa o filme chato. A história de Freddy é contada rapidamente no meio do filme, e apesar de rápida, cumpre bem o papel de situar o espectador na história da vida do assassino.
    3. Durante o filme, numa das cenas, o ator explica o por quê de pessoas dormirem em locais inusitados sem sequer perceberem isso. Dias sem pregar o olho faz com que o cérebro tenha pequenos desligamentos, a qualquer hora e em qualquer lugar - até mesmo numa aula de natação.
    4. O filme realmente foi feito para resgatar clássicos em meio a juventude. Não se pode copiar luzes, cenas e tudo o mais de 1980. Estamos em 2010! Freddy Kruegger tornou-se um fdp que "frescava" com as vítimas, debochava delas e matava de forma muitas vezes engraçada. Era divertido ver as mortes? Sim, mas o terror não é pra isso.

    Me empolguei! ^^
    Sorry!
    Se quiserem saber mais curiosidades e novidades sobre terror, acessem meu blog, link aqui ao lado >>>> ;)
    Valeu, Leo!

    ReplyDelete
  4. Pois o fato é que, caso existisse, Freddy Krueger poderia usar este filme como um ótimo recurso para levar suas vítimas ao sono.

    By Alan

    ReplyDelete
  5. This comment has been removed by the author.

    ReplyDelete
  6. Caro Fernando,

    Concordo com vc em partes. Alias, discordo na maioria delas (rs).

    Que o Freddy tenha virado mais cômico do que assustador tenho que concordar, mas um cômico recheado de sarcásmo e humor negro, como meus personagens favoritos, vide Chucky. E ainda sim existem sequências como a parte 3 e 6 que considero bons filmes.

    Não que esse remake tenha se preocupado em contar a história de vida de Freddy, não é isso (apesar de achar o roteiro chato e sem sal), e sim que o filme de 1984 foi feito com um clima de suspense único que simplesmente não precisava de ”histórinha pano de fundo” para se sustentar. Era uma ideia nova e cheia de possibilidades, afinal o filme, em grande parte, se passava no mundo dos sonhos. Uma temática no mínimo interessante, não? Pois é, acho que Samuel Bayer e Michael Bay aproveitaram isso muito mal.

    Quanto aos jovens que dormem em pé ( e na piscina) acho a desculpinha dada pelo filme foi bem fraca e só para enxer linguiça. Mas até relevo, como disse no artigo, porque quando mais pesadelo para mim melhor.

    E quanto a um diretor de video-clipe no comando do filme? Vai dizer que gostou. Por exemplo: na hora do pesadelo na sala de aula, logo depois que a Nancy acorda fica todo mundo perplexo e depois de 2 segundo todo mundo está normal e feliz de novo. Ou japinha que morre e posta vídeo no Youtube, se ele morreu quem postou? (rs)

    O filme foi feito para juventude? Sim. Pois então que mudem a história e façam uma sequência e não um remake assassinando um clássico.

    Enfim esse filme, é sim, repleto de defeitos.

    ReplyDelete
  7. Ah, defeitos quase todos os filmes apresentam, se formos realmente procurá-los. Premonição 2 é completamente cheio de falhas (vide postagens antigas no meu blog), só pra ter um exemplo.
    Depois te TANTAS sequências de A Hora do Pesadelo, por que deveriam mostrar a volta da volta da volta de Freddy? O que isso traria de novo? Nada! Freddy morreu, e voltou... morreu, voltou de novo... morreu de novo, voltou mais uma vez! Isso cansa, aliás, já cansou hehe.

    Quisera os produtores lessem nossos blogs e não repetissem os mesmos erros na sequência que vem por aí! ;)

    ReplyDelete
  8. Fernando,

    Nos resta aguardar a boa vontade deles (produtores) e torcer para que surjam novas produções, coisas novas. O mundo precisa disso.

    abraço com garra do freddy.

    ReplyDelete
  9. matar sem motivo e melhor que matar por ser pedofilo, perde todo encanto do Freddy. Ta ruim! pronto! Freddy e só mais um pedofilo "coitadinho" Fala serio, foda mostrar para um fa, que Freddy pode ser definido por ser pedofilo.
    Nao foram fieis e pronto!!!
    E se for chamado "remake" e por merecimento, e esse "filminho" nao mereceu!! Fato!

    ReplyDelete
  10. Só tenho uma coisa a dizer, Lixo...
    acompanho todos os filmes de freddy e jason.
    só falta agora fazerem um sexta feira 13 colocando o jason como pedófilo tambem.
    o fato ta claro na opnião de todos freddymaniacos, esse "remake" não presta, aconselho a verem todos os filmes antes de falar " bem" desse novo filme
    sem mais pelo momento

    ReplyDelete
  11. Defino em uma unica palavra SENSACIONAL
    melhor filme de todos os tempos.
    O cara ai de cima nem tem opinião
    pra dar pro filme...só falou merda aff!

    ReplyDelete