Wednesday, June 30, 2010

A Centopéia Humana (2009)

THE HUMAN CENTIPEDE - THE FIRST SEQUENCE
Direção: Tom Six
Holanda e Reino Unido, 2009.



Existem experiências que só o cinema fantástico é capaz de dar a fórmula e com ela revelar ao mundo algo inovador. Alguns desses experimentos são considerados geniais e inteligentes, outros são arremessados direto no lixo pela crítica especializada, que também nem sempre faz isso com bom senso.

”A Centopéia Humana”
(The Human Centipede – The First Sequence, Holanda e Reino Unido, 2009) é um caso que mistura as duas teorias, o famoso “ame ou odeie” na mais literal linguagem popular. Afinal, um filme onde uma centopéia humana é o personagem principal causa, no mínimo, polêmica. Além dos mais diversos sentimentos que vão de nojo a ódio. Não acredita? Pague pra ver.



Essa produção em conjunto de Holanda e Reino Unido foi toda filmada em vídeo digital e teve orçamento baixíssimo. Simplesmente: “uma ideia na cabeça e uma câmera na mão”. Esse poder de independência cinematográfica, é algo inexprimível, pois qualquer um pode virar um diretor também. Ainda mais nos dias de hoje, onde é quase obrigatório efeitos e direções de arte milionárias à la Avatar, o que é mais um motivo para destacar essa obra corajosa e única. Uma centopéia humana, isso sim é arte!



Escrito e dirigido pelo holandês Tom Six, “A Centopéia Humana”, narra a história de duas turistas americanas em viagem pela Europa, Lindslay ( Ashley C. Willians) e Jenny (Ashlynn Yennie), em sua passagem pela Alemanha decidem ir, de carro, a uma balada mais afastada, só que no meio do caminho o pneu fura e elas acabam ficando sozinhas no meio do nada.

Aí já viu...

Elas decidem procurar ajuda e vão parar na casa do malvadão Dr. Heiter (Dieter Laser), que as recebe prometendo que vai ligar para ajuda. Mas o cientista maluco prefere dopar as gurias e colocar o seu plano maligno de criar uma centopéia humana em ação. As meninas acordam amarradas, junto de um rapaz oriental, que é a outra cobaia... Aí agonia começa a aparecer, aliás, esse é um sentimento que vai permanecer pelo resto da película.

Enfim, o Dr. Heiter volta à cena e descreve a operação detalhadamente para seus pacientes, com um cinismo extremo. Abaixo as imagens dos desenhos explicativos da operação:





Esse filme é para quem tem peito e estômago. Acho que até mais peito que estômago, porque ao contrário do que muitos podem pensar, não é extremamente nojento, mas cheio de torturas psicológicas e humilhações que mexem com o espectador.

Lembrei-me do período nazista muitas vezes durante a exibição e não só por ser todo ambientado na Alemanha. As experiências bizarras dos médicos alemães, como as de Joseph Mengele que, em campos de concentração, injetava tintas azuis nos olhos de crianças judias, unia veias de gêmeos, deixava pessoas em tanques de água gelada para testar sua resistência, amputava e também coletava órgãos de prisioneiros para as mais diversas finalidades. Esses são alguns exemplos desse tortuoso período da Humanidade. Mengele ficou conhecido como “Anjo da Morte” e morreu no Brasil em 1979. Viu, só? O Estranhezas Cinematográficas também é cultura (hahaha).





Depois da pequena aula de História, voltemos à nossa centopéia. A obra demora até mostrar algum tipo de ação, mas na hora que mostra não pára. Esse é um daqueles exemplos de filmes claustrofóbicos em que, cada vez mais, o espectador vai perdendo as esperanças de um final feliz e seus personagens são expostos a situações muito humilhantes.

Por onde tem passado esse filme tem tirado espectadores das salas antes do término da sessões, devido as torturas do maléfico Dr. Heiter. Escabroso, excêntrico e maluco, ele se transformou em ícone para muitos, inclusive ganhando comparações com Freddy Krueger (!!!) e Hannibal. A interpretação do ator alemão é perfeita, fugindo daquele clichê do “cientista maluco”e imprimindo uma expressão doentiamente única. Afinal, ele é estrela.

“A Centopéia Humana” tem momentos previsíveis e alguns clichês que já entramos em overdose de tanto ver por aí, mas ao menos tenta fugir disso (e muitas vezes consegue). Tem ação, suspense em um dos roteiros mais sujos criados para o cinema, tudo isso com uma forte carga emocional capaz de levar o espectador ao limite do suportável.


Léo Castelo Branco**


9 comments:

  1. É o tipo de filme que choca, sem precisar de grandes custos; Dieter Laser está realmente fantástico na atuação. Sou suspeito pra falar de obras de terror, mas 'A centopéia humana' é perfeito, mesmo com tantas limitações.

    ReplyDelete
  2. Esse filme é a mais pura realidado, a sociedade já está "comendo merda" há muito tempo...

    ReplyDelete
  3. ahahahahahhahahahahaha...
    ....hahahahahah
    caralho velho
    q bode
    esse médi-cu é fera demais
    hahahahahhaha

    ReplyDelete
  4. sensacional!!!!!!!!!!!!! não tenho nem oq dizer, não me vem nem palavras na mente para descrever tamanha evolução da ciência moderna, e sem contar no desenho artístico ali do ânus, boca etc... Parabéns mesmo aos diretores...

    ReplyDelete
  5. Parece constrangedor, e sufocante, e senti isso só na tua critica. E depois assisti o trailer, constatei!

    ReplyDelete
  6. Bom, quem quiser, passa no meu blog e faz o download do filme! é http://www.sangue.suor.cinema.zip.net

    ReplyDelete
  7. E olha só, o poeta brasileiro Glauco Matoso, escreveu uma seleção de poemas inspirado na Centopéia Humana quem quiser conferir é só clicar no link abaixo:

    http://www.daiblog.com.br/2010/05/polemico-centopeia-humana-inspira-poeta.html

    Abraço.

    ReplyDelete
  8. caraaaaaaaaaacaaa.... voce manda muitoo bemmm, falando de filmes de terror.
    é a primeira vez que eu entro no seu blog, mas vou entrar sempre!
    eu entro no scaryblog sempre dai vi teu endereço e vim conferir!
    parabenss pelo blog! voce faz um incrivel trabalho!

    ReplyDelete
  9. Muuuuuito bom!!! Mas você é louco de assistir esses filmes de terror (ócios do ofício né) rs! Quanto ao Homem de Ferro 2 eu concordo com o que você disse, o primeiro é muito superior, mas em suma eu gostei! :) Parabéns!! Beijo!

    ReplyDelete